Logo do Dr. Paulo Kassab | CRM 42.138
Agende sua consulta

Disfagia esofágica: como ocorre e qual o tratamento indicado? 

Tempo de Leitura: 3 min
Sumário

A disfagia esofágica, dificuldade de deglutição, pode impactar muito a qualidade de vida. Conheça os principais fatores associados e como ela se desenvolve, além de compreender a importância da personalização do tratamento para cada paciente. Entenda mais sobre esse assunto lendo o texto abaixo.

a imagem ilustra uma mulher com a mão no meio do peito

O esôfago, uma estrutura tubular do sistema digestivo, desempenha um papel crucial no transporte de alimentos da boca para o estômago. Sua função é facilitar a passagem controlada dos alimentos através de contrações musculares coordenadas. 

A disfagia esofágica, uma condição comum, ocorre quando há dificuldade em engolir, resultando em desconforto e comprometendo a ingestão alimentar. Condições subjacentes, como estreitamento do esôfago, acidez crônica ou distúrbios neuromusculares, podem desencadear a disfagia. 

Neste artigo, vamos explorar a disfagia esofágica, incluindo o que é, como ela se desenvolve, quais os sintomas e manifestações e como é realizado o tratamento desta disfunção. Leia até o final e saiba mais!

O que é a disfagia esofágica e como ela se desenvolve?

A disfagia esofágica é uma condição caracterizada por dificuldades ao engolir que ocorre quando o esôfago encontra obstáculos ou apresenta disfunções

O desenvolvimento dessa condição pode estar relacionado a diversos fatores, incluindo o estreitamento do esôfago devido a condições como esofagite ou estenose, a presença de tumores que obstruem o fluxo normal ou distúrbios neuromusculares que comprometem a coordenação dos movimentos peristálticos.

Compreender esses mecanismos é crucial para diagnosticar e abordar a disfagia esofágica, permitindo um tratamento direcionado e melhorando a qualidade de vida dos indivíduos afetados.

Quais os sintomas e manifestações da disfagia esofágica?

A disfagia esofágica se manifesta por uma variedade de sintomas que refletem a dificuldade em engolir. O sintoma primário é a sensação de alimentos ou líquidos ficando presos durante a deglutição, geralmente na região do peito ou garganta. 

Isso pode causar desconforto ou até mesmo dor ao engolir. Outros sintomas frequentes incluem engasgos frequentes, tosse durante ou após as refeições, perda de peso não intencional e regurgitação de alimentos não digeridos.

Além disso, a disfagia esofágica pode levar a problemas relacionados à nutrição, como desnutrição e desidratação, devido à dificuldade em consumir alimentos e líquidos adequadamente. 

As complicações podem incluir pneumonia por aspiração, resultante da inalação de alimentos ou líquidos para os pulmões.

É crucial estar atento a esses sinais, pois a identificação precoce dos sintomas da disfagia esofágica é fundamental para um diagnóstico preciso e intervenção terapêutica adequada, visando melhorar a qualidade de vida e prevenir complicações a longo prazo.

Como é realizado o tratamento da disfagia esofágica?

O tratamento da disfagia esofágica depende da causa subjacente da condição. Em casos de estreitamento do esôfago devido a esofagite, estenose ou tumores, procedimentos como a dilatação esofágica podem ser realizados. Esse procedimento utiliza um balão ou tubo para alargar a área estreitada, facilitando a passagem dos alimentos.

Medicamentos como inibidores de bomba de prótons podem ser prescritos para reduzir a acidez estomacal em casos de refluxo gastroesofágico, ajudando a aliviar os sintomas.

A terapia de reabilitação pode ser útil em casos de disfagia relacionada a distúrbios neuromusculares. Isso envolve exercícios específicos para fortalecer os músculos envolvidos na deglutição.

Em situações mais graves, a alimentação por sonda pode ser necessária para garantir a ingestão adequada de nutrientes e líquidos.

É fundamental uma abordagem multidisciplinar, envolvendo médicos, fonoaudiólogos e nutricionistas, para adaptar o tratamento às necessidades individuais do paciente. 

O acompanhamento regular é essencial para avaliar a eficácia do tratamento e ajustar as abordagens conforme necessário, buscando otimizar a funcionalidade do esôfago e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Em síntese, a disfagia esofágica, uma condição desafiadora do sistema digestivo, destaca a importância de um diagnóstico preciso e tratamento personalizado.m O tratamento varia, abrangendo desde dilatação esofágica para estreitamentos até terapias adaptadas a distúrbios neuromusculares. A conscientização precoce e a gestão eficaz podem aliviar o desconforto, melhorar a ingestão e prevenir complicações.

Dr. Paulo Kassab Imagem do Doutor CRM 42.138

Dr. Paulo Kassab

CRM:  42.138     RQE:  64.606
Sou graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Santo Amaro, Mestre em Medicina(Cirurgia) pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e Doutor em Medicina (Cirurgia) e possuo Livre Docência pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Tags: 
Deixe um comentário
O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

magnifiercrossmenuchevron-down